Eu já comemorava 21 anos de TV Record quando em 74, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, me chamou para participar do primeiro “Fantástico” a cores. Foi nessa época que produzi o primeiro Clipe musical da televisão brasileira. Na época não existia equipamento adequado e os números musicais mostravam o cantor em várias locações diferentes.

Mas eram apenas imagens sem a presença da voz . Eu não me conformava com isso. Como um cientista maluco, adaptei uma parafernália de instrumentos: corneta – auto falante, gravador e microfone conseguindo um som guia para o cantor dublar. E não é que deu certo?

Apesar de Roberto Talma e Ricardo Leitão terem gasto 26 horas para editar o Clip “América do Sul” com Ney Matogrosso, o trabalho ganhou prêmio nos Estados Unidos.

Durante muito tempo, o meu equipamento ficou conhecido como “a corneta do Travesso”. Mais tarde a Globo resolveu comprar uma Nagra, coisa de luxo, e passamos a gravar Clipes musicais com menos sacrifícios. Tudo isso graças ao Boni. Ele nos incentivava e dava força ao nosso trabalho. Sua palavra dispensava memorandos.