Dos 48 inscritos, foram selecionados 14. Eu estava entre eles.Daí para frente não deixei escapar nenhuma oportunidade que me foi dada.

Fiz câmera, direção de TV , produzi meus primeiros programas e tive até algumas experiências como ator.

Convidado pelo diretor de teatro José Renato para ser o protagonista de “Garoto 53” de Miroel Silveira, percebi que eu me sentia muito melhor atrás das câmeras que na frente delas.

Nessa época a TV utilizava talentos da música, da dança e do teatro em sua programação. Aprendi muito fazendo direção de TV ao lado daqueles que eu considero meus grandes mestres – Ziembinski, Rugero Jacobi, Carla Civelli – diretores de teatro consagrados na Europa que vinham ao Brasil contratados por companhias de teatro brasileiras.

Mesmo assim, em meio ao profissionalismo e disciplina implantados por eles, nós, profissionais de TV da década de 50, desenvolvíamos táticas próprias, bem ao estilo brasileiro.